i5f9te)o

Inovação e Desenvolvimento

VF-OS – VIRTUAL FACTORY OPERATING SYSTEM

Iniciou-se formalmente no dia 1 de outubro o projeto vf-OS, acrónimo de Virtual Factory Operating System, financiado pelo Programa Horizonte 2020 da União Europeia. O objetivo deste projeto é o desenvolvimento de um Sistema Operativo aberto para Fábricas Virtuais, composto de Sistema Cluster para Fábricas Virtuais (vf-SK), Interface para Programação de Aplicações para Fábricas Virtuais (vf-API) e ‘Middleware’ para Fábricas Virtuais (vf-MW), desenhado especificamente para a fábrica do futuro.
O resultado final do projecto será um kit de utilização aberta para desenvolvimento de aplicações (vf-OAK) e para implementação de smart Applications para Manufactura destinada a utilizadores industriais. Este kit será disponibilizado através de uma Loja de Aplicações para Manufactura (vf-mApp) numa Plataforma de Fábrica Virtual (vf-P). Assim, tal como actualmente se recorre à Google Play Store ou à AppStore para se obter aplicações para Android ou iOS, também no futuro se poderá recorrer à vf-mApp para obter aplicações desenhadas especificamente para indústrias de manufactura.
A CONSULGAL participa no vf-OS integrada num consórcio de 14 empresas de 7 países (Portugal, Reino Unido, Espanha, França, Holanda, Alemanha, Lituânia), como demonstrador da utilização do Sistema Operativo na área da construção/fiscalização.

Período: 2016 – 2019

BIM (Building Information Modelling)

O BIM é já o novo paradigma da indústria da construção que, de facto, irá alterar os processos construtivos e também os comportamentos, apostando na partilha franca e imediata de toda a informação técnica, que seja produzida por qualquer Interveniente, “deslocando” assim o esforço do projeto para a fase anterior à da construção. Para este efeito, o BIM recorre às mais avançadas tecnologias de informação e a modelos virtuais de estrutura paramétrica (entre o 3D e o ”n” D), necessários para apoiar as atividades associadas ao Projeto, Planeamento, Procurement, Fabricação, Construção, Exploração, Manutenção, Gestão de Energia, Gestão de Resíduos, entre outros.

Vários serviços podem ser prestados pela Empresa através da utilização da Metodologia BIM. Desde o planeamento ou coordenação do BIM, estudos da sequência de construção, geração de modelos e desenhos de pormenor (arquitetura, estruturais e de todas as restantes especialidades), análises à exequibilidade de construção, resolução de conflitos entre especialidades do projeto, estimativas de quantidades, estimativas de custo, com previsões para qualquer fase ou momento do projeto, análises de risco, auditorias de 3ª parte do modelo BIM, gestão da manutenção, etc.

Desde meados de 2013, a CONSULGAL iniciou a adoção da Metodologia BIM, reconhecendo-a como ferramenta basilar para o futuro da sua atividade no âmbito da Engenharia. Do ponto de vista comercial as vantagens do BIM são inúmeras, desde o âmbito da formação, passando por todo o tipo de prestação de serviços na área da Engenharia, sendo que, o seu carácter universal e inovador permitirá potencializar todo o esforço de internacionalização da empresa, tendo em conta que em alguns países (em especial do Centro e Norte da Europa, da Améria do Norte, Médio Oriente e Ásia), o BIM ou já é obrigatório ou está prestes a sê-lo.

Connect and Construct

O projeto Connect & Construct promovido pela Comissão Europeia em 2013, com duração prevista de dois anos, tem como objetivo melhorar a competitividade e a eficiência da indústria europeia da construção, facilitando a troca de informações e dados para as empresas do setor, em todas as fases do ciclo de vida da construção.

Tais desafios são abordados através do desenvolvimento de uma estrutura de interoperabilidade para a troca de informação sem fronteiras. A ferramenta será adequada para utilização por qualquer empresa, em qualquer solução TIC que esteja atualmente implementada, pois, será baseada em soluções, sistemas e / ou normas existentes. A versão final da ferramenta foi apresentada numa conferência pan-europeia, realizada em finais de Novembro de 2014.

Às empresas Pioneiras / Piloto será disponibilizada orientação personalizada para implementar a ferramenta nas suas operações diárias e nos sistemas já existentes, sem necessidade de implementação de uma nova infraestrutura ou soluções de TIC.

Como empresa Pioneira / Piloto, a CONSULGAL usufruirá, ainda, de diversos outros benefícios, nomeadamente o acesso a ferramentas para a troca eletrónica de dados sem a necessidade de investimentos financeiros estruturais; orientação pessoal sobre como fazer melhorias rápidas na troca de dados de negócios com outras empresas sem ter que fazer mudanças radicais na sua infraestrutura atual de TIC, acesso a uma rede de empresas de construção europeias e uma maior visibilidade por participar numa iniciativa oficialmente apoiada pela Comissão Europeia e pelas grandes organizações do setor.

Período: 2013 - 2015

FITMAN (Future Internet for Total MANufacturing)

O projeto FITMAN faz parte do programa FI-WARE, que está incluído na Parceria Público-Privada para desenvolvimento da Internet do Futuro (FI-PPP), criada pela Comissão Europeia em 2010.

O FI-WARE visa desenvolver uma nova plataforma de serviço de Internet, composta por blocos genéricos e reutilizáveis (rotinas de software), que responda às necessidades de vários setores de atividade, desde cuidados de saúde, telecomunicações, até indústria e ambiente, contribuindo para a melhoria significativa do seu desempenho em termos de produtividade, custos e fiabilidade.

O FITMAN visa desenvolver uma plataforma de Internet para a indústria de manufatura, baseada em 10 casos-estudo desenvolvidos em vários setores.

A CONSULGAL participa no projeto integrada num consórcio de 35 empresas de 10 países europeus e, juntamente com a UNINOVA (parceiro técnico), desenvolvem o caso-estudo da área da construção/fiscalização de obras que está inserido no grupo de Digital Factory Trials. O consórcio integra ainda empresas como a Volkswagen ou a Whirlpool.

O caso-estudo proposto pela CONSULGAL no âmbito do FITMAN visa tornar mais eficiente o processo de controlo de betão numa obra. O objetivo é desenvolver uma aplicação, baseada no software do FI-WARE, que permita acompanhar, via Internet, a evolução do processo de betonagem bem como o registo dos vários passos do processo, a identificação expedita dos provetes e o acesso rápido às características do betão associado a cada betonagem.

Período: 2013 - 2015

SUMMIT (Supply Chain Management in Construction Industry)

O projeto SUMMIT visou criar, implementar, testar e avaliar uma infraestrutura de comunicação assente em Electronic Data Interchange (EDI) para ser utilizada por vários parceiros envolvidos na construção. Esta infraestrutura visou a automatização dos processos de encomendas, entregas, faturação e pagamentos na cadeia de abastecimentos, desenvolvendo um sistema de fluxos de informação organizacionais que ligava as empresas autónomas e os rastreava para suportar a coordenação interempresarial.

A CONSULGAL participou no projeto integrada num consórcio de 5 empresas de 3 países, tendo desenvolvido um caso-estudo relativo à construção de casas pré-fabricadas.

O objetivo da plataforma SUMMIT era estabelecer e fornecer os mecanismos para ligar aplicativos do parceiro em execução nos seus sítios e usando um formato de dados do proprietário, com um formato de dados e um canal de comunicação com base no modelo SUMMIT. Numa fase seguinte, a troca de dados era tratada pelo Translator Manager, que permitia a gestão local e remota dos dados de uma rede, usando ftp. Além disso, foi desenvolvido um front-end para navegação na internet, fornecendo um interface geral para os serviços descritos neste documento, por qualquer usuário com acesso à Internet e instalações de navegação.

Período: 1999 - 2001

SABARECO (Satellite-Based Remote Multi-Project Reporting and Controlling in Construction Industry)

O projeto SABARECO tinha como objetivo o de permitir a partilha eficiente de informações entre os membros de uma equipa, a qualquer momento e em qualquer lugar superando as restrições impostas pela distância e pelo tempo, permitindo às empresas europeias de construção, incluindo as pequenas e médias empresas, aumentar a sua competitividade no mercado global, através da implementação de soluções inovadoras de acesso à informação. Essas soluções permitiriam a interligação de locais de trabalho heterogéneos, recorrendo à aplicação de protocolos de internet, usando links de satélite como “service provider” e uma base de informação configurada através da integração de aplicações já existentes para soluções ERP (enterprise resource planning), PM (gestão de projetos), e HAPC (ações horizontais de planeamento e controlo).

A CONSULGAL participou no projeto integrada num consórcio de 5 empresas de 3 países, na qualidade de utilizador final. O caso-estudo desenvolvido pela CONSULGAL consistiu em estabelecer dois conjuntos de equipas: um conjunto de gestores de projeto em Sede e outro de gestores de projeto em obra.

Enquanto os colaboradores da sede mantinham a base da informação, nos locais de obra os gestores de projeto teriam a possibilidade de atualizar as bases dessa informação para efeitos de preparação de relatórios, comunicando entre si através de protocolos de Internet e links de satélite.

Adicionalmente estiveram envolvidas outras organizações (clientes, fornecedores, subempreiteiros) a quem foi fornecido um interface, que permitiu visualizar e ter acesso a certos subconjuntos de informação (relatórios de progresso, estimativas de custos, etc.).

Período: 2000 - 2002

SEEM (Single European Electronic Market)

O projeto SEEM pretendeu contribuir para o desenvolvimento e implementação das políticas europeias relacionadas com o conceito de Single Electronic European Market. Nesse sentido, o projeto contribuiu para a definição e desenvolvimento de uma estrutura tecnológica flexível para realização de negócios por via eletrónica, tendo em consideração as questões linguísticas, culturais e económicas das pequenas e médias empresas no espaço europeu. Procedeu à análise do estado da arte da tecnologia, das questões relacionadas com a sociedade e com as políticas públicas, existentes à data, relacionadas com o mercado único eletrónico europeu, gerando informação que permitiu manter uma base de conhecimento, dinâmica e de fácil gestão. Desenvolveu um protótipo para utilização em cenário simulado, envolvendo todas as questões relacionadas com o mercado único eletrónico europeu, o qual resultou num conceito viável para um importante setor da economia europeia, neste caso a gestão e transporte de resíduos no espaço europeu.

Na sequência das fases anteriores, foi lançado um processo de discussão e disseminação de resultados a nível europeu, que contribuiu para a definição das políticas europeias para o Mercado Único Eletrónico Europeu.

A CONSULGAL participou no projeto integrada num agrupamento de 22 empresas industriais, empresas de IT, universidades e institutos de investigação de vários países europeus.

Período: 2003 - 2008